Marta é aquela que lê

“O teatro me deu consciência do falso e do verdadeiro, a diferença entre fazer o papel de outro e ser você mesmo. Tem pessoas que lidam com o teatro e caem de boca na ilusão. Para mim foi ao contrário: o palco me ajudou a ver a ilusão como ilusão. A usar a ilusão a serviço da realidade. É o que a literatura faz”

Matéria publicada na Gazeta do Povo pelo jornalista José Carlos Fernandes, em 24/3/2017, para ler matéria completa: clicar aqui

Publicado em Geral

EDITAL DE NOMEAÇÃO DE COMISSÃO

 

O presidente da Academia Paranaense de Letras, conforme os poderes que lhe confere o Art. 13, letra D, do Regimento Interno, nomeia os membros da Comissão Especial de Análise, com incumbência de verificar o cumprimento das exigências estabelecidas pelo Estatuto da Academia por parte de candidatos (as) a membro efetivo:

Albino de Brito Freire – Coordenador
Adélia Maria Woellner – Membro
Ricardo Pasquini – Membro

Curitiba, 22 de março de 2017
Ernani Buchmann

Publicado em Geral

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DE 15 DE MARÇO DE 2017

Aos quinze dias do mês de março de dois mil e dezessete, no 2º andar das instalações do SENAC, à rua André de Barros, 750, realizou-se mais uma reunião mensal ordinária da Academia Paranaense de Letras, sob a presidência de Ernani Lopes Buchmann, estando presentes os seguintes acadêmicos: Eduardo Rocha Virmond, Albino de Brito Freire, Guido Viaro, Chloris Casagrande Justen, Cecília Maria Vieira Helm, Nilson Monteiro, Clemente Ivo Juliatto, Ricardo Pasquini,  Adélia Maria Woellner,  Carlos Alberto Sanches, Dante Mendonça, Flávio Arns, Maria José Justino e Marta Morais da Costa. Na abertura da reunião, o presidente agradeceu a presença dos acadêmicos na reunião e na cerimônia de posse em seis de março p.p. Saudou os convidados desta reunião, o diretor da Biblioteca Pública do Paraná, Rogério Pereira, e a presidente da Associação dos Amigos da Biblioteca – AABIPPAR, Graziela Magalhães Dias e de duas voluntárias da referida Associação, Ana Maria Hladczuk e Tânia Toledo. Leia mais ›

Publicado em Atas

EDITAL ABERTURA DE CADEIRA

A Academia Paranaense de Letras declara aberto o período de inscrições para preenchimento da Cadeira nº 31, cujo patrono é Emílio de Menezes e que teve como último ocupante Lauro Grein Filho.

Conforme o Art. 5, parágrafo 2º do Estatuto, os candidatos devem encaminhar ofício à APL comunicando seu interesse em disputar a Cadeira vaga, acompanhado de curriculum vitae e um exemplar de cada uma de suas principais obras.

O material deve ser encaminhado ao presidente da Academia, na Rua Visconde do Rio Branco 931 – 1º andar, até às 12 horas do dia 11 de abril próximo.

Curitiba, 15 de março de 2017

Ernani Buchmann

Presidente

Publicado em Geral

UMA AVENTURA EM CURITIBA: Baixando na Arena 59 anos depois

Na segunda-feira, 6 de março, fui a Curitiba para a posse do meu querido amigo Ernani Buchmann na presidência da Academia Paranaense de Letras. Foi uma bela cerimônia solene na sede da OAB do Paraná, não muito longe da Polícia Federal, o “palácio” da Lavajato.

No dia seguinte, Ernani combinou um encontro de fim de tarde mais descontraído no Bar Stuart, o mais antigo de Curitiba, fundado em 1904.

Com o dia inteiro praticamente livre, fui flanar por minha cidade natal em busca de vestígios do passado, tarefa que me exige, a cada nova viagem, mais memória, imaginação e alma de arqueólogo.

Na Avenida, passei pela Boca Maldita (longe de ser aquela que foi o ponto de partida da campanha nacional Diretas Já! em 1984). Depois, flashes da Rua Quinze: o Bar Triângulo, o rei do cachorro quente curitibano (ainda ostentando o au-au de néon na fachada); a lendária Confeitaria das Famílias; a sacada do antigo escritório de meu pai, da qual assistíamos aos desfiles do Sete de Setembro; em frente, o sobrado onde tive minhas primeiras aulas de inglês, aos dez anos, com Robert Charles Fulton; na Barão do Rio Branco espiei pela porta de entrada do prédio do Clube Curitibano (hoje sede da COHAB), com a chapelaria onde as madames e as debutantes guardavam seus casacos de pele; no subsolo também não havia mais a Caverna Curitibana, a antípoda das virginais debutantes; para dançar com as taxi girls, você comprava uma ficha e passava pela roleta até a pista de dança.

A foto do fato: eu na Arena da Baixada

Leia mais ›

Publicado em Artigos