Adeus ao Poeta

Deixou-nos o poeta Oldemar Justus, ocupante da cadeira n.30 da APL em busca dos páramos celestes. Nascido em Ponta Grossa,PR, em 29 de junho de 1922, filho de Felippe Justus Júnior e Tereza Justus, residia em Curitiba desde 1957, no exercício das ciências contábeis, à frente das empresas Justus Auditores Independentes e Justus Consultores Associados.

Apesar dessa atividade profissional prosaica, revelou-se compositor e poeta da mais alta linhagem, mediante uma linguagem original e retórica de profunda espiritualidade.

Sua poesia comporta a mistura entre o romântico e o filosófico. Ela fez parte de sua vida como uma espécie de traço intermediário entre este tempo e o outro desconhecido, mas vislumbrando através da arte a sua grandiosidade e beleza.

Publicou oito livros: Feito Pássaro, Um Novo Canto, Volúpia, Ecos e Silêncios, A Alma e o Tempo, Tempo Breve, Além das Estrelas e Folhas Soltas, sem embargo de outras publicações em antologias.

Sua obra foi bem recebida pela crítica face a sua qualidade estética.

Rosário Farani Mansur Guérios, insuspeito filólogo e erudito acadêmico, de saudosa memória, escreveu “Há nos seus poemas muita imaginação, muita filosofia e muita psicologia. O poeta, de certa maneira, manifesta nas suas produções a saudade do paraíso que perdeu, e não repousa enquanto não alcançar a plenitude da felicidade em outra vida. A poesia de Oldemar busca esses altiplanos. Não tenho receio de errar, ele é dos maiores poetas paranaenses da atualidade.”

Os principais personagens de um poema são a suavidade e o vigor dos versos, na opinião de Paul Valery, pois tais ingredientes emanam da paisagem interior desse artista eclético, professor de esperança e vendedor de sonhos, cujo propósito foi sempre acender estrelas e espalhar luz pelos caminhos.

Ele soube conciliar os encargos da atividade profissional com a criatividade e as cogitações do espírito. Faleceu em Curitiba no dia 19 de maio de 2006. Ultimamente a parca tem causado sérios danos ao colegiado acadêmico. Deixaram-nos Harley Stochero, Valfrido Piloto e Wilson Bóia, sucessivamente. A morte de Oldemar abre outra lacuna que dificilmente será preenchida, tal a luminosidade dos seus predicamentos poéticos.

Túlio Vargas, cadeira nº23

Luís Guilherme Bergamini Mendes, administrador do site da APL, é Engenheiro de Computação formado pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Mantém o site da APL desde 2001.

Publicado em Artigos