Ata de posse de Bigarella, 5 de março de 2013

Cumprindo o programa, a Academia Paranaense de Letras, por seus membros, familiares e convidados, se reuniu às 19,30 horas, do dia 05 de março do corrente ano, nas dependências da sala Brasílio Itiberê, da Secretaria de Cultura do Estado, nesta cidade,  sob a presidência do colega Eduardo Rocha Virmond, para a realização da sessão solene da posse do novel acadêmico João José Bigarella, conforme convocação e registros de presença.

À hora aprazada o senhor presidente abriu a sessão com a execução do Hino Nacional, seguido da chamada e apresentação de seus membros pela confreira Adélia Woellner. Em seguida me coube a leitura do Credo Acadêmico,  repetido por todos os associados.

Dando seguimento à cerimônia, o senhor Presidente justificou as razões da solenidade, destinada a dar posse ao novel membro desta Academia, o geocientista João José Bigarella, eleito para a cadeira 22 desta Casa de Letras, na vaga do inolvidável  Metry Bacila, seu ocupante anterior. Antes, porém, o presidente comunicou que a Academia decidiu  também prestar homenagem e oferecer uma placa comemorativa do evento a duas pessoas presentes, Ennio Marques Ferreira e Caíque Ferrante. O primeiro por seu incansável desempenho em prol da arte e da cultura do nosso Estado; ex-diretor do Departamento de cultura do Estado e Diretor do Museu de Arte do Paraná. Caíque, por sua vez, ganha especial merecimento por seu papel de vereador da nossa cidade e administrador público, mas, muito particularmente, pelo empenho que despendeu para que a rica biblioteca Norton Macedo, fosse doada e implantada  na nosso Academia Paranaense de Letras.

Após as homenagens e a entrega das placas respectivas, o senhor Presidente deu curso à solenidade, convidando os Acadêmicos Paulo Vítola e Antonio Celso Mendes para fazerem introduzir no plenário o recipiendário João José Bigarella, mandato que cumpriram levando-o até a mesa diretora dos trabalhos. Ai posto, o novel acadêmico fez o juramento de posse e assinou o termo respectivo, sendo cumprimentado por todos os membros da mesa. Em seguida o senhor Presidente convidou a senhora do recipiendário, D. Iris Bigarella, a  vestir-lhe a pelerine, o que foi feito sob aplausos gerais,sendo o novo Acadêmico encaminhado ao convívio de seus novos colegas.

Dando continuidade, a palavra foi conferida ao colega Belmiro Valverde Jobim Castor que, após saudar a mesa e os presentes, exaltou a eleição para a nossa  Academia de um dos mais eminentes cientistas brasileiros, com  mais de sessenta anos de carreira acadêmica, prestigiada internacionalmente. Recapitulou sua formação científica e seu desempenho nos Institutos de ciência do país e do mundo, bem como na cátedra acadêmica de nossa Universidade. Rememorou suas atividades de pesquisa em diversos continentes e sua contribuição de mais de 200 trabalhos científicos. Destacou sua preocupação com a preservação do meio ambiente, e com a ação precatória do homem, pregando o desenvolvimento de uma consciência ambientalista. Por fim, resumindo, destacou o esforço com que vem  aplicando, embora com mais de 90 anos, na instalação do projeto do Museu Geológico e Arqueológico de Vila Velha, com vistas a expor ao público a história da evolução geológica do nosso planeta nos últimos 4 milhões de anos. Por fim, fazendo considerações gerais, o orador transmitiu ao recipiendário a satisfação de sua acolhida na Academia, fazendo votos para que contribua ainda mais, com sua inteligência e sua ciência, para o engrandecimento cultural e científico do nosso Estado e do mundo.

Concedida a palavra ao empossado, inicialmente rendeu homenagens a seus antecessores na cadeira n. 22, Carlos Stelfeld e Metry Bacila. Recordou sua origem e sua formação escolar e profissional como químico e professor catedrático de Mineralogia e Geologia Econômica.Lembrou o proveito que tirou de  sua presença no Museu Paranaense, a partir de quando passou a desenvolver trabalhos de campo no continente africano (África do Sul, Namíbia, Angola, Nigéria e Algéria), bem como de prospecção de petróleo no deserto do Saara. Em 1974 incorporou-se à UNESCO por 4 anos seguidos e desenvolveu inúmeras pesquisas e trabalhos de campo. Em todo esse tempo produziu também 230 trabalhos científicos, editados na Europa, nos Estados Unidos e Brasil, bem como publicou revistas do Instituto de Geologia. À certa altura de seu trabalho, porém,  impressionou-se com o grau de destruição que o homem vem impondo ao meio ambiente: suas florestas nativas, solo, poluição dos rios e  vegetação dos manguezais, participando de um trabalho para promover a conscientização e a defesa dos nosso recursos naturais. Entre ou considerações neste sentido,  revelou sua esperança de criar um espaço na região de Vila Velha, uma espécie de museu inédito no mundo, em cujas páginas todos pudessem caminhar e ler a história da formação e evolução da terra e da vida humana. Terminou formulando um agradecimento comovido a todos os presentes. Daí então, encerrando a solenidade, o senhor Presidente louvou o desempenho dos oradores, repetiu a boas vindas ao novo Acadêmico e encerrou a sessão. Após os presentes se reuniram para um coquetel, nas dependências do próprio edifício, onde desfrutaram momentos de agradável convívio e confraternização.

EDUARDO ROCHA VIRMOND – Presidente

RUI CAVALLIN PINTO – Secretário Geral

Luís Guilherme Bergamini Mendes, administrador do site da APL, é Engenheiro de Computação formado pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Mantém o site da APL desde 2001.

Publicado em Atas